Prevenção VIH

Stop Sida é um blog de divulgação de campanhas de prevenção do VIH.

Divulgamos posters, vídeos e apresentações de materiais desenvolvidas pelo Comité de Coordenação e Combate ao Sida (CCS -SIDA).

Partilhe connosco a sua experiência.


29 Novembro 2012

Chegou a estar à beira da morte. E terá sido essa experiência que o levou a repensar a vida e dedicar-se a algo nobre. É a mão amiga que se estende às pessoas que sabe ele bem o que estão a viver, afinal também ele tem uma história assim. Daniel Delgado é o presidente da Rede Nacional de pessoas com VIH/SIDA e líder da Associação “Esperança”.

 

Associação Esperança

 

Há cerca de oito anos chegou a Cabo Verde. Daniel Delgado, também ele portador de VIH, trazia consigo um sonho que se materializou após alguma luta na Associação “Esperança”, uma instituição que trabalha com as pessoas seropositivas com o intuito de identificar as suas necessidades no dia-a-dia e minimizar as suas dificuldades.

 

 

 

“Reivindicamos direitos iguais a toda gente”, enfatiza o líder da associação que actua no norte de Santiago, mais concretamente no concelho Santa Cruz. A “Esperança” trabalha também na capacitação de pessoas seropositivas e não só, o objectivo é que haja “uma mudança de comportamento”. Um trabalho árduo e com imensas dificuldades até porque a instituição actua na base do voluntariado, segundo conta o responsável.

 

 

A ambição é levar a actuação da associação à generalidade da ilha de Santiago e quem sabe a todo o território nacional, mas até então não tem sido possível, devido às dificuldades inerentes. Começaram com 15 voluntários, entre eles portadores de VIH/SIDA. Actualmente, já têm mais de 30 membros formados.

 

A nível de financiamento, a Associação “Esperança” é financiada via o Comité de Coordenação de Combate à SIDA, CCS-SIDA, com fundos do Programa das Nações Unidas para a Desenvolvimento, PNUD.

 

Para este líder, o preconceito ainda existe apesar de a informação já ter chegado a todo lado. “Agora cabe às pessoas aceitarem, mas elas não são obrigadas a aceitar e ai é que está a dificuldade”, desabafa o líder. Acrescenta que o mais difícil é a mudança de mentalidades mas que tem acontecido. “Quando cheguei a Pedra Badejo, eu era o “homem que tem SIDA”. Hoje as pessoas olham para mim com naturalidade e o meu trabalho tem sido facilitado, e muito, por estas pessoas”. E para 2013 o objectivo já está traçado - apostar ainda mais nas campanhas de sensibilização para passar a mensagem.

 

Na maior parte dos casos, mais de 70 por cento, segundo Daniel Delgado, é a “Esperança” que chega às pessoas portadoras de VIH/SIDA, numa primeira abordagem. Mas há casos em que são as pessoas infectadas que procuram a instituição. “Chegam à noite. Não querem ser vistas na associação”, explica o líder. Geralmente há sempre alguém na sede da associação com formação que atende a pessoa em causa.

 

Quando procurados por uma pessoa infectada, a associação encaminha a mesma para as entidades de saúde. Dependendo do avançar do vírus a pessoa poderá ficar internada. Daniel Delgado adianta que, não sendo ainda dados oficiais, mas que o número de infectados a nível nacional já ronda as 2.880 pessoas. A nível de concelhos Praia e São Vicente vêm em primeiro lugar e segundo lugar, respectivamente. Segue-se Santa Catarina e depois Santa Cruz.

 

“O consumo de álcool e drogas é o que está a afectar muito (Santa Cruz) ”, justifica Daniel Delgado assim a quarta posição do concelho a nível de pessoas infectadas com VIH.  “ As pessoas não têm falta de informação”, esclarece.

 

Outra situação que tem acontecido na prática, segundo este líder comunitário, é o caso de emigrantes da costa de África que chegam ao país por vezes infectados com o VIH e que se envolvem com jovens cabo-verdianas. “Temos um caso recente em que o indivíduo desapareceu (depois de infectar uma jovem).  Ninguém sabe onde ele está”, cita a nível de exemplo e acrescenta que a jovem apesar de ter negado oficialmente agora sabe que está infectada. Reforça novamente a ideia de que é necessário continuar a apostar na sensibilização.

 

A taxa de prevalência do VIH/SIDA no país ronda os 0,8 por cento, uma das mais baixas a nível africano.

 

Rede Nacional de pessoas com VIH/SIDA

 

Criada há um ano, justamente no dia 29 de Novembro, aniversário de Daniel Delgado, a Rede Nacional de Pessoas Seropositivas (ou pessoas que vivem com o VIH) continua em banho-maria, segundo Delgado que é presidente da mesma. “São as burocracias inerentes”, explica.

 

“A rede foi criada para termos mais voz junto do Governo e das instituições que trabalham nesta matéria”, elucida Daniel Delgado e explica que a instituição tem de estar presente em tudo que toca o VIH/SIDA a nível nacional. Serve como um coordenador nacional para as duas associações que lutam pelos direitos dos portadores de VIH/SIDA no país, a Associação “Esperança” e a “Abraço” (São Vicente).

 

Ainda não tem sede própria, o que deixa o presidente apreensivo. “Estamos a precisar de um espaço até para retirarmos tudo o que temos guardado aqui (sede CCS-SIDA)”. Daniel Delgado tem esperanças de que ainda neste Dia Mundial da Luta contra a SIDA

 

“Não vou virar as costas”

 

Após ter estado à beira da morte, conseguiu dar a volta por cima e resolveu transformar a experiência em algo positivo. Conta que foi a fé em Deus que lhe ajudou a sair da situação em que se encontrava deitado numa maca do hospital Curry Cabral, em Portugal. Chegou a pesar cerca de 30 quilos.

 

Quando recuperou as forças, em 2004, regressou à terra natal. Desde então não tem parado e nestes oito anos muita coisa mudou, segundo Daniel Delgado. “Está a ser gratificante para mim este trabalho”, afirma com satisfação e acrescenta que o que lhe dá mais prazer é verificar a mudança. “Nunca vivi tão boas experiências como vivi agora.”

 

Quando chegou ao país trazia consigo três meses de antirretrovirais (ARV’s). Pelo Natal de 2004, recebeu um “presente” da Direcção-Geral de Saúde – um embrulho com os medicamentos. Diz que, no seu caso pessoal, não tem tido problemas com o acesso aos ARV’s.“Espero viver até aos 90 anos … e com muita garra”, diz com um sorriso.

 

Com o passar dos anos, revela algum cansaço psicológico e não físico, salienta. “Daqui a uns quatro ou cinco anos, vou retirar-me. Já ando nisto há muito tempo. A ver se aparece algum discípulo … (risos) e tem de aparecer”.

 

Mostra-se um pouco desgastado por ter tantas actividades centradas na sua pessoa e diz que em breve será a hora de parar um pouco e pensar mais na sua vida pessoal. Mas cortar a ligação não vai ser de todo possível. “É como um jogador de futebol – pendura as chuteiras mas continua a dar chutos na bola.”

 

@CM

publicado por Krish às 20:01

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



Stop Sida
pesquisar no stop sida
 
pub
subscrever feeds

Conselho Nacional de Combate ao HIV/SIDA